Acendimento da chama do 34 º Carijo homenageia Lourenço Ardenghi Filho

Realizado nas cinco últimas edições do festival, o acendimento da Chama do Carijo ocorreu na tarde desta quinta-feira, 23, na sede campeira do CTG Galpão da Boa Vontade. Nesta edição, a homenagem foi ao ex-prefeito de Palmeira das Missões, Lourenço Ardenghi Filho, criador do evento, em 1985.

Lourenço Ardenghi Filho, o Lourencinho, como era conhecido, nasceu em 11 de março de 1943, em Palmeira das Missões. Filho de Lourenço Ardenghi e Jamile Ardenghi, cursou o ginásio na Escola Estadual Três Mártires e cursou o técnico na Escola Técnica de Comércio, em 1960 e depois foi a Porto Alegre, para terminar os estudos. Ao retornar para Palmeira, trabalhou na empresa da família. Em 1966, casou-se com Lucy Martins, com quem teve dois filhos.

Foi proprietário das rádios Palmeira AM e FM e empresário rural. Foi eleito prefeito do município em Palmeira das Missões em 1982, com gestão até 1988, marcada por obras importantes para Palmeira das Missões, como a construção de cerca de 300 casas  no bairro Mutirão e a Escola Antonio Carlos Borges, creche da Vila Westphalen, construção do Centro Cultural, subprefeituras e praças no interior, entre o outras. Foi em sua administração, o retorno da UPF para Palmeira e de ações na área de assistência social. De 2009 a 2012 foi prefeito novamente, período em que ocorreu a consolidação da UFSM no município, instalação da Justiça Federal e Hospital Público Regional.

O ato contou com a presença da família do homenageado, a filha Alexandra Ardenghi; o genro João Herculano Gomes e a neta, Joana, além do presidente do 34º Carijo, Antonio Augusto Korsack Filho e a secretária de Educação, Nirleni Boeri. “O Carijo foi uma das criações que mais orgulhava o Lourenço, que sempre foi apaixonado pelas tradições do Rio Grande. Felizmente ele nos deixou esse legado. Enquanto estão se terminando outros festivais por aí, em Palmeira, cada administração municipal dá o maior apoio ao evento”, destacou Gomes.

O presidente do festival ressaltou a relevância do evento. “O Carijo é maior do que Palmeira das Missões. É patrimônio cultural do Estado graças à ideia de uma pessoa, que foi o Lourenço. Nada mais justo do que nesta edição, a chama da tradição seja acesa em nome de quem acendeu a chama do primeiro Carijo”, disse.

Após o acendimento, a centelha foi conduzida por cavalarianos da 17ª Região Tradicionalista ao parque de exposições, onde ocorreu cerimônia na Casa de Cultura.