“Aos Pioneiros da Celeste”

Compositor: Alixandre Lima

Quem diria que as novas tecnologias e o velho costume gaúcho poderiam se fundir e dessa união nascer uma belíssima obra? Foi exatamente essa junção que trouxe um lampejo de inspiração e reportou o compositor a escrever a obra que começara a delinear no encontro dos ex-alunos da Celeste Gobbato.

“Um vídeo postado no facebook pelo amigo Romulo Chaves, atirando uma armada com seu filho numa vaquinha de madeira em frente à escola agrícola no ano passado, foi um lampejo de inspiração. Então me reportei a escrever sobre a ligação afetiva que nós ex-alunos mantemos com aquele educandário e sua importância para nossa trajetória, histórica, social e cultural regional”, disse Lima.

A canção começou a se forjar em 1996, quando o senhor Danilo Quadros de Lima resolveu fazer um encontro da 1ª turma de formandos da Escola Estadual Técnica Celeste Gobbato. Na ocasião, o compositor foi o responsável por assar o churrasco e pode escutar “as histórias e estórias destes jovens de outrora e caudilhos do agora”.

Alixandre Lima é natural de Palmeira das Missões, reside atualmente em Redentora, e com essa obra será a terceira vez que sobre ao palco do Carijo da Canção Gaúcha. Ele conta, que os versos se chegaram no seu universo vital há 7 anos, com a criação da ONG TG (Associação de Arte e Cultura Tenência Gaúcha) de Redentora, entidade na qual é integrante e foi o primeiro vice-presidente.

A inspiração para compor vem da vivência com a família Lima, que sempre galgou defender e lutar pelos usos e costumes sul-rio-grandenses. “Também me reporto aos meus avôs Moreno Lima, que sempre foi um campeiro e tropeiro pelos campos de nossa Palmeira, e Ahilton Gomes de Lima, que foi ervateiro na costa do Rio Guarita. Os quais procuro honrar seus legados me dedicando a pesquisar dois temas que sempre defendo em minhas obras, a integração homem e campo e a trajetória histórica ervateira de nossa região”, garante Alixandre.

Ele finaliza falando sobre sua expectativa para o 33º Carijo da Canção Gaúcha.

“Minhas expectativas são de fazer a obra fluir no palco do 33ª Carijo com humildade, dedicação e muito carinho, pois nossa escola Celeste Gobbato merece, por ser uma fonte de conhecimento perene em nossa trajetória de vida. Agradeço à Deus os dons que nos legou e peço que ilumine a todos nós nesta empreitada no palco consagrado da erva mate canção e que possamos eternizar a saga de nossos pioneiros com a passagem para a final dessa obra no maior festival e baluarte da cultura nativista do Rio Grande do Sul!”

Camila Schmitt Carvalho/Jornalista MTB nº 16.394