Brasileiros escolhem 38º presidente em eleição de extremos

O 38º presidente do Brasil será eleito neste domingo, 28, no segundo turno da eleição mais polarizada e violenta desde a redemocratização, marcada pela facada em um dos candidatos e uma avalanche de notícias falsas. Em 5.570 municípios do país, os 147,3 milhões de brasileiros aptos a votar terão até as 17h, nos horários locais, para escolher entre dois extremos: o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL), representante da direita, e o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), da esquerda.

Os primeiros números da apuração de votos para a Presidência da República serão divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) partir das 19h do horário de Brasília, quando se encerrará a votação no Acre. O sucessor do presidente Michel Temer (MDB) e seu vice, que devem ser anunciados até as 21h, subirão a rampa do Palácio do Planalto em 1º de janeiro de 2019.

Além do desafio de pacificar um país conflagrado, o novo presidente terá como principal missão fazer a economia brasileira retomar o crescimento para gerar empregos. Os dados mais recentes mostram que há 13 milhões de desempregados no Brasil, produto de uma das mais graves recessões econômicas da história do país, gestada no descontrole fiscal do segundo mandato da ex-presidente Dilma Rousseff e na instabilidade política que levou ao impeachment da petista e persistiu no governo Temer, marcado por denúncias de corrupção contra o presidente.

Também serão eleitos neste domingo os governadores do Distrito Federal e de 14 estados, incluindo quatro dos cinco maiores colégios eleitorais do país: São Paulo (33 milhões de eleitores), Minas Gerais (15,7 milhões de eleitores), Rio de Janeiro (12,4 milhões de eleitores) e Rio Grande do Sul (8,3 milhões de eleitores).

Os candidatos à Presidência da República no segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) (Miguel Schincariol/Daniel Ramalho/AFP)

Informações/Veja

Por Sidnei Farias