Está acesa a 72ª Chama Crioula do Rio Grande do Sul


Cavaleiros conduzem Chama Crioula pelo Rio Grande do Sul

A partir de agora, a imagem de cavaleiros e cavaleiras com seus cavalos conduzindo o símbolo da Semana Farroupilha será comum nas estradas do estado. Esse ritual único no mundo começou em Tenente Portela na sexta-feira, onde a Chama Crioula foi acesa, e só termina em setembro.

Cerca de 1.500 gaúchas e gaúchos foram até a cidade do noroeste do estado para receber o fogo. E Tenente Portela soube receber todo mundo muito bem. No supermercado, o brasão do Rio Grande foi talhado numa melancia. Nossa bandeira e nossas cores estampavam vitrinas, fachadas das casas e todo o caminho que levava a um dos cenários da festa, um parque distante 5 km da cidade.

Minutos antes da geração da chama, uma encenação da morte do tenente Portela, personagem da Coluna Prestes que deu nome ao município, emocionou a todos. E fez lembrar os guerreiros farroupilhas. Eles lutaram por um ideal, assim como Portela. Na distribuição das centelhas, índios Caigangues dançaram o ritual do fogo. É a certeza de que nossa cultura não é melhor que as outras. É preciso valorizar todas elas.

Tudo foi motivo de emoção. Como não se comover com o choro dos organizadores do evento, Júnior Vôos e Régis Carniel, no palanque oficial? Nesse momento, me veio à memória tudo o que tenho testemunhado nesses galpões pelo estado afora, nos últimos anos: tais quais Farroupilhas alijados do poder central em 1835, muitas vezes desassistidos, abandonados, esses tradicionalistas não desistem.

E os artistas que estiveram lá, sem cachê, para animar um baile em benefício do hospital da cidade, souberam valorizar esse esforço. Os 4 Gaudérios, Thomas Machado, Luiza Barbosa, Lincon Ramos, César Oliveira & Rogério Melo animaram o baile do Desafio Farroupilha sem cobrar cachê..Ah, o César Oliveira nosso patrono, que está fazendo toda a diferença. Um líder. Este foi o único show das festividades, às quais foram negados recursos via Lei Estadual de Incentivo a Cultura.

Porém, apesar de todo o brilho e talento desses grandes nomes de nossa música, eles não foram os principais personagens da festa. As estrelas, os heróis, são os cavaleiros e cavaleiras da Chama Crioula. Sem vaidades, disputas de poder, hipocrisias e politicagens, eles é que dão o espetáculo de atavismo e paixão pelo que é nosso. E aqui quero dividir com vocês um relato comovente de um deles, do centro do estado.

Coordenador do grupo, ele se resignava, no acampamento, por não ter conseguido arrecadar uma doação de R$ 1 mil por prefeitura, para custear a cavalgada que está conduzindo a Chama Crioula até a sua região.

Aí fiquei pensando. R$ 1 mil…Menos do que um prefeito recebe em diárias por uma viagem a Brasília. Esses gaúchos e gaúchas abrem mão de tudo nesta época do ano para conduzir o símbolo da nossa Semana Farroupilha.

Para esses bravos gaúchos e gaúchas essa cerimônia sagrada não é uma diversão. É uma missão. Lutar para que sejam valorizados e reconhecidos é outra tarefa, mas esta, de todos nós.

Viva o Rio Grande, viva a Semana Farroupilha.

Veja a reportagem no RBS NotíciasAbertas as comemorações da Semana Farroupilha no Rio Grande do SulRBS Notícias00:00/02:12

Abertas as comemorações da Semana Farroupilha no Rio Grande do Sul

Abertas as comemorações da Semana Farroupilha no Rio Grande do Sul

Informações G1 RS

Foto capa /Gilmar MachadoFonte: Clic Portela