Estudantes de escolas públicas do Estado terão internet no celular para aulas virtuais

Segundo a Secretaria da Educação, professores da rede pública devem começar a transmitir as aulas no início de junho

O governador Eduardo Leite (PSDB) disse, na live do Facebook para atualizar os números da Covid-19, da quarta feira(13) que o plano de volta às aulas no Rio Grande do Sul deve ser apresentado nesta sexta-feira e pode mesclar o ensino à distância e o presencial. No mesmo dia, em uma reunião na Assembleia Legislativa para formalizar a doação de R$ 5,4 milhões para a Secretaria Estadual de Educação (PSDB), o titular da pasta, Faisal Karam, projetou que os professores da rede pública devem começar a transmitir as aulas no início de junho.As aulas foram interrompidas em 19 de março por conta da pandemia de coronavírus. O governo do Estado ainda não apresentou um cronograma do ano letivo de 2020, mas tem sustentado que o retorno só acontecerá a partir de junho.Na transmissão via Facebook, Leite admitiu a possibilidade de usar o ensino à distância para repor as aulas. Até agora, foi anunciado apenas a transmissão de aulas de reforço para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), através da TVE e da TV Assembleia.“Estamos estruturando a forma adequada de termos segurança na volta às aulas, o que poderá envolver a articulação do ensino à distância e o presencial. Devemos ter novas reuniões nesta quinta-feira, para consolidar um modelo e, então, apresenta-lo a sociedade gaúcha”, projetou o tucano.Durante o encontro com os deputados estaduais na Assembleia, Faisal deu mais detalhes sobre o plano de voltas às aulas que está sendo construído pelo Executivo. A meta é começar as aulas virtuais dos professores com seus alunos na primeira semana de junho.“Os educadores terão autonomia para escolher e priorizar os conteúdos, que serão novos. Infelizmente, não teremos tempo hábil para cumprir o calendário completo neste ano”, antecipou o secretário da Educação.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/05/13/206x137/1_faisal_karam_se_reune_com_presidente_da_assembleia_ernani_polo_e_gabriel_souza_na_sede_do_legislativo___foto_joel_vargas__agencia_alrs-9055795.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5ebc7a7eac02f', 'cd_midia':9055795, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/05/13/faisal_karam_se_reune_com_presidente_da_assembleia_ernani_polo_e_gabriel_souza_na_sede_do_legislativo___foto_joel_vargas__agencia_alrs-9055795.jpg', 'ds_midia': 'Titular da Educação, Faisal Karam, disse ao presidente do Legislativo, Ernani Polo, e Gabriel Souza, que transmissão de aulas iniciará em junho', 'ds_midia_credi': 'Foto Joel Vargas/Agência ALRS/JC', 'ds_midia_titlo': 'Titular da Educação, Faisal Karam, disse ao presidente do Legislativo, Ernani Polo, e Gabriel Souza, que transmissão de aulas iniciará em junho', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Ao receber doação da Assembleia de R$ 5,4 milhões para fornecer internet em smartphones de alunos e professores, secretário da Educação, Faisal Karam, disse que transmissão de aulas começa em junho 

Aliás, Faisal Karam foi recebido na Assembleia Legislativa pelo presidente da Casa, Ernani Polo (PP), e o deputado estadual Gabriel Souza (MDB). O objetivo do encontro foi formalizar a doação de R$ 5,4 milhões que o Parlamento fará à Seduc, para o fornecimento de internet em smartphones de até 900 mil alunos e professores gaúchos.O dinheiro será transferido à Seduc ao longo de 12 meses e o pacote de dados só permitirá o acesso a conteúdo educacional. Faisal garantiu que a pasta vai trabalhar, nas próximas duas semanas, para cadastrar as linhas de celular junto às quatro operadoras de telefonia que atuam no Estado (Vivo, TIM, Oi e Claro) e no treinamento dos professores.A transmissão do conteúdo será por meio do aplicativo Google Classroom (Google Sala de Aula). A velocidade da conexão será de 50 Mbps (megabits por segundo).O titular da pasta de Educação relatou ainda que as atividades a distância terão continuidade na rede estadual, mesmo após o retorno das aulas presenciais. Por exemplo, depois que os alunos voltarem às salas de aula, a Seduc pretende realizar um teste virtual para atestar o conhecimento assimilado durante as aulas não presenciais. A avaliação será aplicada pela Universidade Federal de Juiz de Fora, a mesma que aplica a Prova Brasil.Para Gabriel Souza – quem sugeriu que a Assembleia doasse os recursos à Seduc –, “nunca haverá a substituição do ambiente escolar, em especial no Ensino Fundamental e Médio, mas, neste momento, temos de encontrar uma solução razoável para oferecer a continuidade do ano letivo com a mínima qualidade necessária.


FELIPE DALLA VALLE/PALÁCIO PIRATINI/JCMarcus MeneghettiO