Marido e outro suspeito presos são indiciados por morte de contadora desaparecida

A Polícia Civil de Palmeira das Missões, que investiga o caso do desaparecimento de Sandra Mara Lovis Trentin, 48 anos, indiciou o marido dela e um jovem de 22 anos, que não teve o nome divulgado, pelo homicídio da contadora. Paulo Ivan Landfeldt, que é vereador em Boa Vista das Missões, e o outro suspeito estão presos desde o dia 23 de fevereiro.

O inquérito, entregue ao Judiciário na sexta-feira (23), também informa que outras pessoas ainda não identificadas podem ter participação na morte e no desaparecimento da contadora, que não é vista desde 30 de janeiro. Para a polícia, Landfeldt pagou uma quantia em dinheiro para que o jovem e outras pessoas executassem Sandra.

Conforme o documento, as buscas para encontrar provas do crime ou até mesmo o corpo da mulher, mãe de quatro filhos, irão continuar, mesmo com o inquérito já remetido à Justiça. São aguardados também outros resultados de diligências já feitas pelos agentes.

A Polícia Civil disponibiliza dois telefones para denúncias a respeito do caso: (55) 98418-7841 ou 181.

Relembre o caso

Em 30 de janeiro deste ano, Sandra Mara Lovis Trentin, 48 anos, foi vista pela última vez nas primeiras horas da manhã, quando saía de sua residência para ir até Palmeira das Missões.

Reprodução / Reprodução
Imagens mostram uma das últimas aparições da contadora, em 30 de janeiro, em Boa Vista das Missões, no norte do RSReprodução / Reprodução

O carro da contadora, uma caminhonete Ford Ranger foi encontrado, e no dia 31 uma perícia comprovou que não havia impressões digitais no veículo.

Em 23 de fevereiro, a polícia prendeu o então presidente da Câmara de Vereadores de Boa Vista das Missões, Paulo Ivan Landfeldt, e um jovem de 22 anos, que teve o nome preservado para evitar o vazamento de informações. Na época, o jovem disse em depoimento que Landfeldt havia pedido a ele que sequestrasse e matasse a mulher.

A polícia monitorou o vereador e descobriu que, sem informar os investigadores, ele estava trocando telefonemas e mensagens com o grupo que supostamente teria sequestrado Sandra.

O parlamentar declarou que estava sendo extorquido por pessoas do Alto Uruguai, que pediam resgate em troca da libertação da mulher.

Em 1º de março, o jovem deu nova versão, na qual afirmou não saber o paradeiro de Sandra e que entrou em contato com o vereador após ver as notícias em uma rede social. O homem não soube informar o motivo para apontar o político como participante na ação que teria culminado na morte da contadora .