Palmeira das Missões decretou Situação de Emergência

O Município de Palmeira das Missões decretou Situação de Emergência  devido às fortes chuvas que atingiram a cidade nos últimos dias, com média superior à prevista para a época do mês, deixando a zona rural isolada e intransitável. Em consequência das enxurradas e inundações resultaram danos materiais e prejuízos econômicos e sociais. Com isso, bueiros e pontilhos foram danificados e destruídos, além da interrupção e bloqueio de estradas do interior, isolando várias comunidades.

De acordo com o escritório da Emater/Ascar de Palmeira das Missões, o pluviômetro da unidade registrou 419 milímetros de chuvas em maio e em junho já são 191 milímetros. O engenheiro agrônomo da Emater Luiz Eduardo Avallone Velho salientou que grande parte da produção de feijão dos produtores da cidade está prejudicada, assim como as lavouras de soja safrinha. Além disso, as chuvas estão atrasando o plantio das culturas de inverno e reduzindo a qualidade das pastagens o que acaba diminuindo a produtividade de leite.

O secretário de Obras e Agricultura Olavo José Borges destacou que o maquinário do município esteve trabalhando no carregamento de cascalho nestes últimos dias de chuva e que assim que o tempo permitir será feita uma força tarefa de emergência, juntamente com outras secretarias, para recuperar as estradas da zona rural da cidade. De acordo com ele, foram registrados estragos em todas as regiões do interior, envolvendo diversos pontos críticos em uma área de aproximadamente 400 km.

Escolas do interior antecipam recesso de julho

A Secretaria Municipal de Educação informa que, após reunião com as direções das escolas municipais localizadas nas áreas rurais, ficou definida a antecipação do recesso escolar de julho, devido às intermitentes chuvas dos últimos dias, o que inviabiliza o trânsito dos veículos que realizam o transporte escolar em diferentes localidades. As aulas nas escolas municipais localizadas na área urbana da cidade seguem o calendário normal. A Administração salienta que esta decisão foi tomada levando-se em consideração a necessidade imperativa de resguardar-se a segurança dos estudantes, já que o tráfego sob condições adversas torna-se perigoso.

 

Além disso, é importante destacar que a flexibilização da jornada escolar em função de condições climáticas desfavoráveis possui previsão legal e pode ser realizada desde que não haja prejuízo ao aprendizado dos estudantes, observando-se o cumprimento integral da carga horária prevista, inclusive com atividades de recuperação. A previsão do retorno às aulas no interior é 19 de junho de 2017.

 

Contatando com os 42 municípios que fazem parte da região de abrangência da Amzop, apenas um informou que o transporte escolar no interior está funcionando normalmente. Dentre os demais, 31 municípios estão com as aulas suspensas na área rural, sendo que o restante ainda não tinha informado a situação até o fechamento desta matéria

Informações Priscila Devens

Por Sidnei Farias